Trotamundos mochileiro: o planejamento

Como comentei no meu último post Trotamundos mochileiro: o que e mochilar?, acho que um mochileiro deva planejar sua viagem e ter dinheiro suficiente para completá-la. Honestamente, acho ridículos os mochileiros que, no meio da sua viagem, se sentam em algum lugar com uma plaquinha “me ajude a financiar minha viagem ao redor do mundo”. Quêeeeeeee?

Por favor, não seja esse tipo de pessoa e se planeje antes de pegar um avião e ir ao outro lado do mundo. Parece obvio, mas, infelizmente, há infelizes pessoas que fazem isso – e são chamados de beg-packers, uma combinação das palavras em inglês beg, que é mendigar, e backpackers, que significa mochileiros. Dois dos artigos que li, ambos em espanhol, podem ser encontrados nos links aqui e aqui. Em português, os chamaria de mendileiros ou mochidigos.

Continuar lendo

Anúncios

O dia de Reis: dos presentes ao roscón

O Dia de Reis na Espanha é quase tão importante quanto o Natal para quase todo o resto do mundo ocidental – para não generalizar. Embora o “bom velhinho” esteja ganhando mais e mais espaço no coração das crianças, aqui, o esperado desde sempre é que o presente seja entregue pelos Três Reis Magos: Belchior, Baltasar e Gaspar.

Acho que faz sentido e é uma ilusão bem bonita. Os Reis Magos chegam a cada cidade e povoado espanhol no dia 5 de janeiro em um desfile ao que assistem todas as crianças. O tamanho do desfile dependerá do orçamento da prefeitura de cada município, mas sempre haverá Belchior, Baltasar e Gaspar assim como também seus ajudantes, que jogarão doces de seus carros alegóricos para as crianças. Esse desfile se chama Cabalgata de los Reyes.

Continuar lendo

Feliz 2018 – as resoluções de um ano novo

Quando dá a meia-noite no dia 31 de dezembro de cada ano, parece que tudo se renova. Como se fosse mágica, as pessoas seguem seus rituais, quaisquer que sejam, abraçam aqueles que amam, se beijam e desejam “Feliz Ano Novo”! Parece que o Ano Novo traz um novo fôlego para a nossa rotina diária nos dá a permissão para voltar a sonhar e a ter esperanças.

Independente de como foi o ano anterior, sempre temos a esperança de que o ano que chega será melhor. E, assim como se renovam os nossos sonhos, fazemos resoluções e planos. Muitas vezes, nos esquecemos de agradecer e muitas outras vezes mais nos esquecemos que somos os maiores responsáveis por fazer do novo ano, um ano melhor, por realizar nossos sonhos, cumprir nossas resoluções e concretizar nossos planos.

Continuar lendo

Trotamundos mochileiro: o que é mochilar?

Wikipedia define backpacking – o termo em inglês para mochilar – como uma forma de viagem, de baixo custo e independente (de agências de viagem).

Qualquer um pode mochilar. A primeira viagem independente que fiz sozinha, pagando com o meu suado dinheiro, foi para a Europa em 2005. Pesquisei preços de seguros de viagem e passagens aéreas – SPO-BCN-SPO, BCN/Paris, Paris/Stuttgart, Stuttgart/BCN – e busquei hostels/albergues em Paris, a única cidade onde não teria hospedagem. Com euros no bolso suficientes para que pudesse me divertir e conhecer lugares, parti para minha primeira grande aventura pelo mundo.

Continuar lendo

21 de dezembro de 2017 – o dia mais curto do ano

Hoje é o dia mais curto do ano. Em Madrid, o sol nasceu às 8:34h e se pôs às 17:48h, embora tenha amanhecido às 8:03h e anoitecido às 18:22h. O dia durou exatos 9h17m06s segundo o site vercalendario.info, sendo o dia mais curto do ano.

Igualmente, faltam 10 dias para que 2017 diga adeus e em poucos dias – 4, para ser exata – a maior parte de nós estaremos sentados ao redor de uma mesa com nossas famílias, as de sangue, as políticas ou as que adotamos no caminho da vida. Para mim, esse é um momento de pensar e refletir sobre o ano que passou.

Continuar lendo

A louca dos gatos

As ironias da vida são engraçadas. Eu sempre critiquei as mulheres que só falavam de seus filhos e as chamava de mães-fraldas. Não aguentava quem só falava de leite, fórmulas, fraldas e mamadeiras. De certo modo, mordi a língua e virei a louca dos gatos.

No começo do ano, pensei em adotar gatos. Eu gosto tanto de gatos como gosto de cachorros, mas os gatos sempre me pareceram muito mais independentes. Queria dois de uma vez e quando conversei com meus amigos gateiros, eles me aconselharam a fazer isso mesmo: dois gatos, de certa forma, dão menos trabalho que um porque um brincará com o outro e ambos se farão companhia. Além disso, poderíamos viajar por alguns dias se deixássemos muita comida, água e dois ou três caixas de areia pela casa.

O Jorge queria um. Eu o convenci a pegar dois. Adotamos três.

Continuar lendo

Por Madrid… #Gratidão

Há meses não escrevo um texto meu. Acho que acontece. A vida acontece e há coisas que não podem parar. A vida toma conta e, muitas vezes, as coisas que gostamos são deixadas para depois. Acontece.

No final de 2016, estava cansada do meu antigo trabalho. Para ser honesta, não estava tão cansada do trabalho porque recém havia mudado de departamento e trabalhava com a melhor chefa que tive na vida, Sonia Serrano. O fato é que estava ganhando pouco e a empresa que estava parecia muito engessada para que pudesse crescer ou ganhar melhor em menos tempo.

Continuar lendo