Minha Saída das Filipinas… A Mudança!

De repente, quando o Trotamundos se tornou quase uma referência sobra as Filipinas, eu decido fazer as malas e voltar para o Velho Continente. Caros, me entendam… O objetivo em morar nas Filipinas nunca foi passar toda a minha vida na Ilha de Lost: o objetivo final sempre foi voltar para a minha Europa querida, para o Velho Continente.

por_do_sol_albufeiras_valencia_trotamundosbytatisato

Pôr do Sol nas Albufeiras de Valência, um dos mais bonitos que vi na minha vida!

Meu amor por essas terras cuja história se entrelaça tanto com a nossa própria é antiga. Meu relacionamento com o Velho Continente data de uma época anterior ao euro, na qual os países ainda comercializavam em liras italianas, pesetas espanholas ou marcos alemães. Ou, talvez, esse relacionamento seja ainda mais antigo, de outras vidas. A verdade é que esse continente, com suas histórias de rei, rainhas e confabulações, a sua pluralidade cultural em um espaço tão pequeno e sua herança artística sempre me fascinou.

Continuar lendo

Viagens: Bais e Bohol – de Golfinhos a Tarsiers

Desde que voltei do Natal, não saí de Manila. E isso tem me deixado em um estado de nervos tremendo…

Não é novidade que uma das coisas que mais gosto de fazer no mundo é viajar e, honestamente, a única grande vantagem que via em viver em Manila era viajar e conhecer, além das ilhas paradisíacas e lugares inusitados, um pouco mais desse enorme continente desconhecido chamado Ásia…

Tinha reclamado que em 2014 não viajei muito, mas a verdade é que não consegui escrever sobre as minhas viagens porque sim que viajei! Acho que em 2014, o Trotamundos se tornou um pouco voltado para o interior, por descrever mais minhas percepções sobre o que me rodeava que minhas experiências na estrada.

Continuar lendo

O Halloween no Mundo Colorido de Bobby… Oops, nas Filipinas

Quando penso em Halloween, imediatamente penso em um bando de criancinhas disfarçadas e um balde de doces. Sei que é uma festa bastante celebrada nos Estados Unidos e, quando era pequena e assistia aos filmes hollywoodianos, tinha vontade enorme de sair batendo nas portas dos meus vizinhos dizendo “trick or treat“.

A palavra deriva do termo escocês “All Hallows’ Eve“, que, literalmente, significa Véspera do Dia dos Reverenciados, ou seja, o Dia de Todos os Santos e marca o primeiro dia de uma época em que a Igreja Católica celebra os santos e os mortos. Como muitas festas e feriados católicos, acredito que sua origem seja pagã; neste caso, sua origem vem da festa celta de Samhain na qual se celebra o fim da temporada de colheitas e o início do inverno, uma época sombria.

Continuar lendo

Vou-Me Embora Para Manila…

Outro dia, vi a pesquisa super abrangente do InterNations chamada Expat Insider: The World Through Expat Eyes, feita com mais de 13 mil pessoas ao redor do mundo.

Adoro ler sobre como as outras pessoas observam os países onde vivem, outros que, como eu, vivem fora de suas pátrias. Qual não foi minha surpresa quando vi que as Filipinas estavam em oitavo lugar da classificação geral, como top destination?

Continuar lendo

Early Bird Breakfast Club – Metro Manila #TrotamundosCuisine

Há muito tempo quero escrever sobre restaurantes e comidas. A minha amiga e co-blogueira Chris Marote, de China na Minha Vida, comentou que, pelo meu amor por comida, eu deveria criar um blog de comidas. Mas como o Trotamundos é o meu diário de bordo e já uso o #TrotamundosCuisine todas as vezes que coloco alguma foto de comida no meu Instagram (@tksato), porque não criar o Trotamundos Cuisine aqui no blog também?

Eu adoro comer. A-DO-RO. É um dos maiores prazeres da minha vida e, junto com viajar, faz parte da minha lista de verbos favoritos. Minha paixão por comida é tão grande que há três anos briguei com a preguiça e comecei a ir para a academia para não ter que controlar tanto o que como. Afinal, quando os 30 anos batem à sua porta, o metabolismo passa a funcionar com um pouco mais de lentidão e o processo de engorda começa. Então, cuidar-se se torna uma obrigação.

Continuar lendo

Manila e o Tufão: Vivendo no Limite!

O clima nas Filipinas é dividido entre úmido e seco, mas é sempre quente. Em dezembro, quando se inicia a época seca, as temperaturas caem um pouco e se pode sentir uma brisa fresca. Inclusive, algumas horas da noite, um casaquinho é necessário.

Março e abril são os meses considerados de alto-verão, quando faz muito calor e a possibilidade de chuva é mínima (mínima não quer dizer que nunca chova!). Nesses meses, faz tanto calor que sinto que moro nas portas do inferno e acho que todo cachorro que late é Cérbero. Esses meses são considerados férias escolares e é considerada altíssima-estação (peak season): os preços dos bilhetes de avião e hotéis atingem o seu topo.

Continuar lendo

Apo Island, a Ilha das Tartarugas Marinhas! <3

Abril foi um mês bem legal. Uma amiga nossa de Barcelona veio nos visitar. Sua viagem já estava programada pelo menos desde o início do ano e planejamos um roteiro bem legal para que ela conhecesse coisas interessantes das Filipinas.

Quando alguém vem nos visitar, passamos algumas horas planejando roteiros porque sabemos que há muita coisa para se ver. Eu, que moro aqui há três anos, não conheço tudo que quero e já fui a lugares incríveis, vi coisas maravilhosas e fiz coisas que jamais imaginei fazer, como saltar de um penhasco em Ariel’s Point, em Boracay.

Continuar lendo

Trotamundos e o Mundo Segundo os Brasileiros: o Encontro à Moda Filipina!

Em janeiro, tirei um dia de folga para filmar para O Mundo Segundo os Brasileiros, um programa transmitido pela Band que segue o mesmo formato de Españoles en el Mundo, do canal de televisão espanhola RTVE. Caso vocês não conheçam o formato do programa, ele mostra algumas cidades do mundo, através do ponto de vista de quem mora lá.

Eu, que amo viajar e sempre gostei da idéia do Españoles en el Mundo (adorei o episódio que eles fizeram de São Paulo), achei o máximo quando ele começou a ser produzido no Brasil. E, ano passado, soube que eles viriam a Manila.

Entrei em contato com a produção, preenchi o formulário e esperei. Então, em janeiro, eles vieram e, embora o programa enfoque em coisas além do turístico, fui com eles a Villa Escudero, uma plantation de cocos, localizada em San Pablo, na região de Laguna, a 1,5h de carro de Metro Manila, dependendo do trânsito.

Continuar lendo

Boracay: o Fim de Semana de Coincidências

É a quarta vez que visito Boracay desde que vim morar nas Filipinas, há três anos… Embora se tenha que pegar um vôo até Caticlan, um tryke do aeroporto até o porto, pagar as taxas portuárias (são três: o environmental fee, que custa PHP 100.00, a taxa do porto, PHP 40.00 e a taxa do barco, PHP 15.00) e, do porto da ilha de Boracay, pegar outro tryke para se chegar ao hotel, toda a estrutura de Caticlan está voltada para a visita à famosa ilha de Boracay.

Fomos no fim de semana do feriado do Ano Novo Chinês que, em 2014, caiu dia 31 de janeiro, uma sexta-feira. Sempre soube que Boracay é a praia-destino de muitos asiáticos, principalmente de chineses e coreanos. Mas, considerando que o Ano Novo Chinês é um feriado que dura, no mínimo, uma semana nas terras de Mao, pensei que no dia 01 de fevereiro, um sábado, o porto fosse estar com uma movimentação normal de fim de semana e Boracay fosse estar lotado. Estava parcialmente enganada.

Continuar lendo

O Sono dos Justos nos Lugares Injustos

Todas as vezes que descrevo experiências em táxis em Manila, eu acredito que será a última. Afinal, sou positivista e acredito todas as vezes que nada mais pode acontecer comigo… Já entrei em táxis com baratas (um era tão velho que, enquanto eu chutava a porta para afastar a barata, me questionava quantos chutes faltavam para que meu pé saísse pelo outro lado), já tive discussões com taxistas sobre os caminhos, já os ameacei de morte… Enfim, quando achei que TUDO já tivesse acontecido comigo e o assunto estive esgotado, passo por uma nova experiência.

Ontem, pegamos o táxi no ponto em frente ao meu prédio. O táxi era bem velho, com o trinco de uma das portas quebrado e algo que caía de uma das janelas. Aliás, quando digo “táxi velho”, acho que poucas pessoas entendem o que realmente quero dizer. Táxi velho quer dizer, literalmente, caindo aos pedaços, como se ele rogasse por ser jogado em um ferro velho e ter uma aposentadoria/morte descente. Embora o exagero faça parte da minha personalidade, juro que, desta vez, não é.

Continuar lendo