Frio nas Filipinas… Sim, é possível!

Nesse exato momento, a temperatura no meu celular marca 20º. Sei que isso não parece pouco, mas acho que é uma das temperaturas mais baixas que peguei em Manila. E, como minha amiga Cristiane Leme diz que não há tempo ruim, mas roupa inadequada, acredito que todas as minhas roupas adequadas estejam em algum lugar do globo que não aqui, nas Filipinas… Porque, nesse exato momento, a brisa fria faz meus pés ficarem bem frios…

Pode ser que eu tenha me acostumado com o inferno que Manila geralmente é, da mesma forma como me acostumei com o frio na Irlanda. O fato é que, ultimamente, tenho dormido com o ar-condicionado E o ventilador desligados, embaixo de uma manta para não passar frio. Não que esteja frio (este, o conheci na Polônia, quando vivi os -20º) e nem faça muito vento (já vivi em Dublin, duas quadras de onde todos os ventos do mundo se encontravam em frente ao Starbucks, em Harcourt), mas, lembrando que a sensação térmica em março passado, alto verão, ultrapassou os 40º em muitos dias de várias semanas consecutivas, 20º pode ser considerado uma temperatura bastante fresca.

Continuar lendo

Eu Quero é Paz!!!

Sabe quando dizem que temos que ter cuidado com o que pedimos? Acredito nisso. Quando pedimos algo, acredito que aparecem coisas em nossos caminhos, como instrumentos, para que possamos chegar àquilo… Como quando pedimos dinheiro e nos aparece trabalho: acontece para que, dessa forma, possamos trabalhar para conseguir o dinheiro que queremos.

Pois é… Acho que em algum momento (imbecil) da minha vida, pedi por paciência. E, por causa disso, primeiro tive um colega que não fazia bem seu trabalho porque ele não gostava daquilo (literalmente, ouvi: “sabe o que é? Eu ODEIO o que faço”… Oi??? Não gosta do que faz? Peça demissão!) e, agora, eu tenho a Dhyva que, além de chorar e fazer chantagem emocional, é preguiçosa e folgada.

Continuar lendo

Manila Nights Out

A vida em Manila pode ser uma festa open bar para um estrangeiro em uma micro Torre de Babel. Sério mesmo. Quando saio para a balada nas Filipinas, sempre acabo nos mesmos lugares. O que acontece é que, embora Manila seja uma cidade com imensas proporções, a comunidade de estrangeiros é muito pequena e sempre frequenta os mesmos lugares. Se falamos de comunidade de estrangeiros e filipinos que vão para a balada, o número é ainda menor.

Entre os meus conhecidos, encontram-se europeus (principalmente espanhóis), latino-americanos, estados-unidenses*, poloneses, russos e outras nacionalidades do leste europeu, brasileiros, filipinos, iranianos, entre outros (porque, seguramente, esqueci de alguém). Uma confusão não só de idiomas, mas também de culturas que podem ser completamente diferentes.

Continuar lendo

Culturas Invasivas…

Olá! Feliz 2014 a todos!!! Espero que o recesso de Natal tenha sido ótimo e que vocês tenham comido muito. Como a gordola que sou, eu comi! =) E viajei!

Já comentei como odeio gente que cuida da minha vida? Acho que se estou conversando com amigos, vez ou outra, é normal que alguém dê opinião sobre a sua vida. Posso não gostar muito, mas acontece. O que me incomoda mesmo são aquelas pessoas que não me conhecem ou apenas cruzam de vez em quando no corredor comigo e deixam suas opiniões sobre a minha vida, como se eu houvesse perguntado…

Passamos a virada de 2013 para 2014 em um resort chamado Tiki Beach Resort em Samal Island, em frente à cidade de Davao, na região de Mindanao, ao sul das Filipinas. Para escrever sobre essa viagem, tenho que organizar e selecionar as milhares de fotos desse pequeno paraíso que me isolava do mundo tecnológico por algumas horas ao dia (o sinal de internet era muito ruim durante, pelo menos, 12 horas ao dia).

Continuar lendo