O Bom Senso e o Premium Senso

Algumas vezes acho que o bom senso deixou de ser algo comum. Como disse uma amiga em um happy hour de uma sexta-feira, o bom senso (ou sentido común, em español, ou common sense, em inglês), se transformou em premium senso (ou premium sense).

Antes de chegar ao motivo pelo qual chegamos à conclusão de que hoje em dia o bom senso se tornou premium senso, acredito que existam sim diferenças culturais, comportamentais e de educação que precisam ser consideradas em qualquer relacionamento. Por exemplo, para mim, arrotar em público é algo completamente anormal. Sei que muitos brasileiros (especialmente adolescentes do sexo masculino) adoram suas competições de arrotos, mas, honestamente, é uma coisa bastante desagradável. E, com a esperança de que a maturidade um dia chegue, eles não o farão constantemente e nem em público.

Continuar lendo

Anúncios

“Seu cartão foi bloqueado por suspeita de fraude”: Uma Experiência com o Serviço de Atendimento Brasileiro

Um dia, tentei fazer uma compra pela internet, nas Filipinas. Recebi a seguinte mensagem: “Seu cartão final XXXX só poderá efetuar transações no CHIP/SENHA. Outras informações, ligue central do Banco fone verso do cartão”. Quando virei o cartão, só existiam três números: o número local (para ligar do Brasil) e dois números para ligações dos Estados Unidos e Canadá, os quais poderiam ser chamados a cobrar.

Claro que o resto do mundo não existe. Não existe outro número de telefone que não seja para os Estados Unidos e eu não tenho idéia de como fazer ligação a cobrar das Filipinas ou de qualquer outro lugar do mundo simplesmente porque esse é um procedimento que só conheço no Brasil. Quero dizer, deve existir uma forma de se fazer chamadas a cobrar do exterior para qualquer região brasileira, mas desde que o Skype foi inventado, acho que as chamadas a cobrar se tornaram cada vez mais escassas.

Continuar lendo

Salve São Jorge: o meu amor por BCN

Hoje é dia 23 de Abril, dia de São Jorge, dia do santo que matou o dragão. Na Catalunya, na Espanha, esse é considerado o dia dos amantes, no qual as mulheres ganham rosas e os homem ganham livros (“uma rosa para o amor e um livro para sempre”), também conhecido com Dia das Rosas ou Dia dos Livros. Infelizmente, nunca estive lá durante essa época: há dois anos, embarcava, nesse mesmo dia, para Barcelona para chegar no dia seguinte.

Como muitos sabem, amo a Espanha. E, embora seja contra o princío do dia dos namorados de forma geral, vou abrir uma exceção e escrever um pouco sobre o meu amor por Barcelona no dia de São Jorge (ou Sant Jordi, em catalão).

Barcelona é uma cidade que mora no meu coração. Pelos amigos que fiz e pela vida que vivi. Primeira cidade na Espanha que visitei, cidade do meu time de futebol (o grande Barça), Barcelona me marcou. Ainda me lembro que disse, no último dia da minha primeira visita à cidade, que um dia chegaria a morar lá. E, de fato, por seis meses, eu morei. E, quem sabe, volte a morar um dia, logo mais.

Continuar lendo

Uma Viagem a Ilocos Norte e Sur: o Extremo Norte da Ilha de Luzon, Filipinas

Todas as vezes que descrevo viagens pelas Filipinas, utilizo dois adjetivos “impressionante” e “difícil de chegar”. Porque, todas as vezes que viajo por aqui, enfrento horas em ônibus ou em uma van ou uma combinação de transportes que varia desde avião-trycicle-barco (como é o caso de Boracay) até ônibus-barco (como são os casos de Puerto Galera e Zambales): em suma, as viagens nunca são curtas, mas sempre valem a pena porque as paisagens são impressionantes.

Nesse último feriado, o da Páscoa, fomos até Ilocos Norte, uma província que fica no mais extremo norte da ilha de Luzon, onde está localizada Metro (poluída) Manila e a maior ilha do arquipélago conhecido como Filipinas. Com essa viagem, oficialmente, posso dizer que viajei ao norte e ao sul dessa ilha embora isso não queira dizer que eu a conheço por completo: falta muito por conhecer.

Continuar lendo

A Fumaça do Meu Espelho…

Em um momento de ebriedade, afetado pela mistura dos meus remédios para o hipertireoidismo, uma taça de vinho e muitas dúvidas, decidi escrever esse texto. Talvez, amanhã, quando o efeito do álcool tiver passado, vou relê-lo e pensar que essa é uma das maiores besteiras que já escrevi na minha vida… Mas, nesse exato momento, tudo que espero é confessar meus pecados…

Uma das minhas melhores qualidades é ser sincera. Sempre. Não somente com os outros, mas comigo mesma. E, talvez por isso, eu consiga enxergar minhas sombras, meus defeitos, com tamanha freqüência.

Continuar lendo