Saudades de uma Dublin que Não Volta Mais…

Nunca pensei que fosse sentir as saudades que sinto de Dublin, mas hoje, quando via a nova série da NBC, Crossing Lines, meu coração quase se partiu quando ouvi um Irish falando de um corpo encontrado no Phoenix Park (basicamente minha mente entendeu Phoenix Park em um sotaque irlandês… Não sou louca e não sou necrófila, FYI). Acho que se ele tivesse falado St. Stephen’s Green ou Liffey River, eu teria caído em prantos, no meu quarto, naquele exato momento.

liffey river trotamundostatisato

Continuar lendo

Anúncios

A Fumaça do Meu Espelho…

Em um momento de ebriedade, afetado pela mistura dos meus remédios para o hipertireoidismo, uma taça de vinho e muitas dúvidas, decidi escrever esse texto. Talvez, amanhã, quando o efeito do álcool tiver passado, vou relê-lo e pensar que essa é uma das maiores besteiras que já escrevi na minha vida… Mas, nesse exato momento, tudo que espero é confessar meus pecados…

Uma das minhas melhores qualidades é ser sincera. Sempre. Não somente com os outros, mas comigo mesma. E, talvez por isso, eu consiga enxergar minhas sombras, meus defeitos, com tamanha freqüência.

Continuar lendo

Reflexão sobre o Amor no Portão de Embarque

portao_de_embarque_trotamundos_tatisato

Algumas vezes acho que o amor é um sentimento sub-valorizado. Penso nisso no instante em que me encontro junto ao portão de embarque, aguardando o meu vôo de volta às Filipinas. Acredito que nós não temos o (bom) hábito de dizer que amamos alguém que esteja próximo porque acreditamos que essa pessoa estará para sempre ao nosso lado mesmo que saibamos que o “para sempre” não existe.

Bem, digo isso com base na minha própria vida. Até a poucos anos, dizia “eu te amo” quando sentia que estava perdendo alguém. Mas hoje acredito que quando esse sentimento de perda aparece, a perda já aconteceu e não nos demos conta. De repente (embora não seja tão repentino assim), a pessoa se vai e nos deparamos com o vazio que ela deixou. Então, entra o sentimento de que as palavras haviam sido ditas sim, mas a dúvida aparece: será que elas não foram ditas muito tarde? Será que as atitudes condiziam com as palavras?

Continuar lendo