A louca dos gatos

As ironias da vida são engraçadas. Eu sempre critiquei as mulheres que só falavam de seus filhos e as chamava de mães-fraldas. Não aguentava quem só falava de leite, fórmulas, fraldas e mamadeiras. De certo modo, mordi a língua e virei a louca dos gatos.

No começo do ano, pensei em adotar gatos. Eu gosto tanto de gatos como gosto de cachorros, mas os gatos sempre me pareceram muito mais independentes. Queria dois de uma vez e quando conversei com meus amigos gateiros, eles me aconselharam a fazer isso mesmo: dois gatos, de certa forma, dão menos trabalho que um porque um brincará com o outro e ambos se farão companhia. Além disso, poderíamos viajar por alguns dias se deixássemos muita comida, água e dois ou três caixas de areia pela casa.

O Jorge queria um. Eu o convenci a pegar dois. Adotamos três.

Continuar lendo

Anúncios

A Dor de Dentes e o Meu Aniversário

Eu sou uma daquelas tontas que amam aniversários. Sempre amei. Adoro que um dia, durante o ano, seja meu. Adoro tudo, desde as coisas mais banais, como o bolo, os presentes e os parabéns até o conceito de ter um dia que representa um ano novo só meu, um dia que representa o meu renascimento. Afinal, a cada aniversário, entra um ano novo na nossa vida. E, com ele, novas chances e oportunidades. E eu amo chances e oportunidades.

O dia do meu aniversário é tão sagrado que sempre tento tirar o dia livre. Nos últimos anos da minha vida, porque ele é tão próximo a um feriado, viajei. Em 2009, estava com meus amigos Deya e Guga em Madrid. Em 2010, estive em Edinburgh, com a Camila e o Almir. Em 2011, infelizmente tive que trabalhar, mas estava em Barcelona onde o passei com pessoas maravilhosas que carrego na minha vida e coração até hoje. Em 2012, encontrei minhas wives, Melissa e Sabrina, no Camboja. Esse ano, decidi ficar em Manila, na cidade onde moro, e festejá-lo com os amigos que fiz aqui. Afinal, chegar à metade da casa dos 30 com tantos sonhos realizados e pessoas maravilhosas ao meu redor é algo que tem que ser comemorado.

Continuar lendo

A Fumaça do Meu Espelho…

Em um momento de ebriedade, afetado pela mistura dos meus remédios para o hipertireoidismo, uma taça de vinho e muitas dúvidas, decidi escrever esse texto. Talvez, amanhã, quando o efeito do álcool tiver passado, vou relê-lo e pensar que essa é uma das maiores besteiras que já escrevi na minha vida… Mas, nesse exato momento, tudo que espero é confessar meus pecados…

Uma das minhas melhores qualidades é ser sincera. Sempre. Não somente com os outros, mas comigo mesma. E, talvez por isso, eu consiga enxergar minhas sombras, meus defeitos, com tamanha freqüência.

Continuar lendo

O Grinch do Valentine’s Day

Eu sou o Grinch do Valentine’s Day e do dia dos namorados no Brasil: por mim, essa data não existiria. Calma, não sou uma pessoa louca que não acredita no amor (muito pelo contrário), mas não acredito que tenha que existir um dia para que o amor seja celebrado; ele deveria ser celebrado todos os dias, tamanha é a sua importância. Mas, alguém, em algum lugar do mundo, em alguma época da história, decidiu que o dia 14 de fevereiro deveria ser o dia que os amantes comemoram o seu amor, com jantares, noites românticas e presentes. Alguém simplesmente decidiu comercializar o amor e é por isso que eu não gosto desse dia.

Algumas pessoas até podem compará-lo com o Natal, mas, para mim, o Natal tem mais a ver com família. Os presentes e toda a comercialização que existe em torno do dia 25 de dezembro é só uma conseqüência, uma desculpa para ter a família em torno da mesa. Eu gosto do Natal por causa das minhas lembranças, da minha família e de tudo que ele representa porque, embora seja esquecido, nesse dia se celebra o nascimento de Jesus. Então, se você não acredita em Jesus, acho que você deve ver o Natal como eu vejo o Valentine’s Day: um dia sem sentido algum.

Continuar lendo

Reflexão sobre o Amor no Portão de Embarque

portao_de_embarque_trotamundos_tatisato

Algumas vezes acho que o amor é um sentimento sub-valorizado. Penso nisso no instante em que me encontro junto ao portão de embarque, aguardando o meu vôo de volta às Filipinas. Acredito que nós não temos o (bom) hábito de dizer que amamos alguém que esteja próximo porque acreditamos que essa pessoa estará para sempre ao nosso lado mesmo que saibamos que o “para sempre” não existe.

Bem, digo isso com base na minha própria vida. Até a poucos anos, dizia “eu te amo” quando sentia que estava perdendo alguém. Mas hoje acredito que quando esse sentimento de perda aparece, a perda já aconteceu e não nos demos conta. De repente (embora não seja tão repentino assim), a pessoa se vai e nos deparamos com o vazio que ela deixou. Então, entra o sentimento de que as palavras haviam sido ditas sim, mas a dúvida aparece: será que elas não foram ditas muito tarde? Será que as atitudes condiziam com as palavras?

Continuar lendo