Coron: Um Paraíso Subaquático

Dando continuidade a Palawan, visitei também o norte da ilha, a região conhecida por Coron. Parte do arquipélago de Calamianes (que faz parte do província de Palawan, que é outro arquipélago. Lembrem-se que as Filipinas são o segundo maior arquipélago do mundo, com mais de 7.000 ilhas), a região de Coron pode ser dividida em duas: Busuanga, onde está o aeroporto e o Calauit Game Preserve and Wildlife Sanctuary, e Coron, uma região para mergulho e snorkel.

Como todos os lugares dedicados ao mergulho que visitei, a região de Coron segue um ritmo próprio, como se o tempo funcionasse com outra velocidade. Uma vez, em Koh Tao, me disseram que o ritmo que se leva embaixo d’água é completamente diferente daquele que se leva em terra: é um ritmo mais tranqüilo porque, lá embaixo, não se pode, por exemplo, entrar em pânico; se você entrar em pânico 5m abaixo do nível do mar, você praticamente morreu (you’re dead fish… Piadinha infame, eu sei). Então, as regiões dedicadas ao mergulho, também seguem o mesmo ritmo tranqüilo, em terra.

Durante a II Guerra Mundial, em 1942, a região foi ocupada pelos japoneses e, em setembro de 1944, devido um bombardeio americano, um grupo de aproximadamente 10 ou 12 barcos japoneses naufragou na região, transformando-a em um dos melhores lugares para se mergulhar do mundo.

coron trotamundos tatisato (01)

Como ainda não possuo o PADI (certificado de mergulho), a maioria dos navios estavam fora do meu alcance. Dois navios (entre eles, o Skeleton Wreck, que é bastante assustador), no entanto, podem ser vistos quando se faz snorkel, o que é bastante impressionante.

Ao ver como os corais tomaram conta dos navios em menos de 70 anos foi surpreendente. Era como se os navios sempre estivessem presentes naquela paisagem e fizessem parte dos corais. Tive a mesma impressão ao ver o Ta Prohm Temple em Siam Reap, no qual as árvores e suas raízes formavam parte integral do templo, de forma harmônica e impressionante.

Enfim, a região de Coron é uma daquelas que, embora não seja turística o suficiente, vale a pena ser conhecida. Descemos no aeroporto de Busuanga, ao norte da ilha, e pegamos uma das vans estacionadas. Acredito que a viagem até a cidade nos custou PHP 400 e durou uma hora e meia (a memória é falha, sinto muito). Se você estiver hospedado em algum hotel, em alguma das ilhas particulares, em geral eles arrumam o transporte. Como fomos a Coron há quase um ano, não consigo me lembrar o nome do hotel que ficamos… =(

Se você não tem o PADI, muitos hotéis da ilha oferecem o curso. O Busuanga Seadive Resort, que está localizado à beira mar (e tem um sanduíche maravilhoso, com pão caseiro), no porto, é um dos muitos resorts que o oferecem. Lembrem-se que o curso para iniciantes tem duração de aproximadamente 3 ou 4 dias.

Embora a cidade não possua praia, se pode contratar qualquer um dos barcos atracados no porto (o preço tem que ser negociado na hora) para que o leve a alguma das ilhas do arquipélago, com areia branca e mar azul. Se o hotel tiver cozinha, peça que preparem um lanche ou um almoço para que seja levado no passeio. Lembre-se que a maioria das ilhas é virgem (ou quase), sem restaurantes ou resorts.

Os island hoppings (atividade muito tradicional nas Filipinas que consiste em contratar um barco para navegar, literalmente, de ilha em ilha) na região de Coron, tradicionalmente, incluem lugares maravilhosos como o Kayangan Lake e sua vista espetacular (o lugar mais fotografado de Coron) e o Twin Lagoon, um lugar de paisagem impressionante no qual as águas salgadas e doce (acredito que sejam do hot spring que existe na região porque sentia, na pele, a diferença de temperatura) se misturam. Se pode também visitar algumas ilhas para se deitar e descansar na praia.

A vista de Kayagan Lake (e o lugar mais fotografado de Coron, segundo diz a lenda)

A vista de Kayagan Lake (e o lugar mais fotografado de Coron, segundo diz a lenda)

...e chega o fim de mais um dia...

…e chega o fim de mais um dia…

Ainda preciso conhecer o Calauit Game Preserve and Wildlife Sanctuary que é um santuário da vida selvagem, uma espécie de zoológico no qual os animais caminham soltos. Essa região fica no outro lado da ilha e não tivemos tempo de ir… Quem sabe, uma próxima vez.

Creative Commons License
Trotamundos by Tati Sato is licensed under a Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivs 3.0 Unported License.
Based on a work at https://tatisatotrotamundos.wordpress.com

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s